Artigos 

Em momentos nos quais os fatores externos não estão tão favoráveis e conseguir bons resultados passa a ser bem mais trabalhoso, questões internas, como a liderança, ganham relevância.

Um verdadeiro líder encontra em situações difíceis como a atual, a oportunidade de fazer valer sua posição. São nestes momentos, que mais vale ser do que estar!

Aspectos comportamentais, valores pessoais, autoestima, respeito ao outro, capacidade de ser exemplo e inspirar, entre outros, valem muito mais do que cargos ou títulos.

Muito além do que comandar, a liderança pode assumir um papel de motor de arranque na equipe, elemento de equilíbrio entre seus membros, ponto de apoio e referência, ou seja, aspectos que somam, motivam, potencializam ou energizam.

Identificamos dez pontos que representam uma linha tênue, aos quais você deve estar atento, pois podem resultar no sucesso de sua liderança ou transformá-la em um verdadeiro fiasco.

Nesta edição, apresentaremos os cinco primeiros, para que você pouco a pouco possa repensar sua trajetória como líder.  Na próxima, traremos os demais para fechar a temática.

1) Responsabilidade x Soberba

Ao concederem a alguém um cargo de liderança, enxergaram potencial para conduzir uma equipe, projeto ou empresa a um patamar mais elevado. Isso, sem dúvida, representa bastante responsabilidade. Mas o cuidado que se deve tomar é para que esta “pressão” não faça com que o líder trate seus próximos sem respeito ou estima.

Alguns líderes acreditam que bons resultados justificam os meios (qualquer que seja). Buscam seus objetivos “atropelando” as pessoas, não ouvindo opiniões, desprezando contribuições e trazem para si o mérito da conquista.

A capacidade de comunicação é uma competência importante para qualquer profissional ou pessoa, mas a habilidade de ouvir tem se tornado cada vez mais essencial. Ouvir com interesse, motivando o interlocutor a fornecer mais informações.

Falar e ouvir assumem uma posição de equilíbrio de importância para um líder. Ouvir e conhecer sua equipe o permitirá ser capaz de se comunicar melhor, de forma assertiva e positiva, melhorando o clima entre seus pares.

Tenha em mente: o líder depende de sua equipe mais do que a equipe depende dele.

2) Gestão x autogestão

Antes mesmo de gerenciar pessoas, o líder tem que ser capaz de se gerenciar a si mesmo. O primeiro passo para isso é o autoconhecimento. Conhecer suas limitações, potenciais, tendências de comportamento e estabelecer um plano de ação para o autodesenvolvimento, são uma excelente iniciativa.

3) Liderar x Desenvolver

É bem verdade que determinados grupos, quase que caminham por si. Ainda assim, um líder que possa conduzi-los para a excelência, fará toda diferença.

É neste “conseguir o melhor de cada um” que reside um grande ponto da liderança: desenvolver pessoas e equipes.

Em nosso programa Líder Coach, destacamos o tema “desenvolver pessoas” como questão fundamental para os novos tempos, e, para isso, a habilidade de interagir com pessoas se torna um grande diferencial. Relacionar-se com diferenças e com diferentes é uma habilidade e tanto do líder e é o primeiro passo para conquistar o melhor de cada um e gerar sinergia no grupo.

4) Referência x Humildade Pedagógica 

Sem dúvidas, o grupo se orienta por seu líder. A ele caberá dar diretrizes e prover os meios para que objetivos possam ser alcançados. E isso requer conhecimento do negócio, empatia com as funções lideradas e constante atualização.

Em nenhum momento o líder precisa se obrigar a ter respostas para tudo e para todos. Ser o líder não é ser um oráculo para sua equipe. Se não sabe, diga humildemente a sua equipe que não sabe. Procure saber e então dê retorno a todos.

De forma alguma, arrisque palpites para fugir de uma sensação de fragilidade. Sabedoria vem da devida utilização do conhecimento.

5) Pensar Positivo x Ser Sonhador

Sem dúvidas, resultados são aspectos concretos de um trabalho. A empresa espera que cada grupo, através de seu líder, entregue os resultados esperados e isso não pode ficar no campo de pretensões ou promessas.

Fazer o que deve ser feito, buscando sempre a superação de barreiras e enfim, pensar que tudo vai dar certo, é um aspecto de automotivação e inspiração para o grupo.

Alguns líderes acham que é poético demais esperar pelo melhor. Que este comportamento é romântico demais, e até, pouco profissional. Discordo completamente e acrescento que quando se planta a semente correta, a colheita será, de um jeito ou de outro, também correta.

Não é uma questão motivacional, e sim a de que o mérito chegará para aquele que está em perfeita harmonia com sua consciência profissional.

Espero que possamos entender que estar à frente de uma equipe é muito mais do que fazê-los obedecer a padrões e buscar resultados. É autoconhecimento, entender de pessoas, ter perseverança e paciência, fugir de comportamentos comandados pelo ego, compreender e ter respeito, ser humilde e ao mesmo tempo ter a vontade de sempre ser mais.

Fernando Lucena

Sócio Diretor GS&Friedman

  • Compartilhe: